Senac

Santa Catarina

Abre e fecha menu
Para dar a largada ao Observatório foi apresentado o relatório do Turismo Catarinense em Movimento, com 242 ações prioritárias em termos de gestão, governança, infraestrutura, inovação, legislação e qualificação. Os dados foram elencados em 2018 durante o ciclo de encontros nas 12 regiões turísticas do Estado, que abarcam 184 municípios, e estão disponíveis para acompanhamento público no site www.temsc.com.br

"Essas informações sistematizadas podem ser utilizadas tanto pelo Governo, para direcionar políticas públicas e ações estratégicas para determinado segmento, como por empresários e entidades ligadas ao setor, no financiamento de projetos e atração de investimentos. Precisamos de diretrizes de longo prazo, de uma política assertiva para o setor. O objetivo é quebrar a sazonalidade do nosso turismo para atrair visitantes o ano todo e em todas as regiões”, afirma o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt.

Representando o governador Carlos Moisés da Silva, o secretário Adjunto de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável e Turismo, Amandio João da Silva Junior, afirmou que o estudo balizará o governo na gestão do turismo e que "será a estrada que o Estado vai percorrer”.
"A iniciativa está alinhada às diretrizes da política nacional do setor. Santa Catarina é um dos estados pioneiros na integração das regiões e sistematização das ações prioritárias”,  segundo o vice-presidente de turismo da Fecomércio SC, Hélio Dagnoni, que percorreu as 12 regiões no ano passado.

Evolução do turismo
Na plataforma será possível acompanhar o comportamento do setor por meio de dados, pesquisas e indicadores, que serão atualizados de acordo com o andamento das ações.
"A ferramenta deverá evoluir de maneira dinâmica, assim como o Turismo, na medida em que parcerias venham ampliar a base de dados e passem a gerar séries históricas. Com isso, o Observatório auxiliará a tomada de decisão e a construção do planejamento, permitindo a otimização de recursos e assertividade dos investimentos”, reforçou o consultor do Senac, André Carvalho.

Conforme o relatório, os fatores mais críticos estão relacionados à Inovação, Qualificação e Gestão/Governança. Por conta da natureza transversal do setor e as particularidades de cada destino, as demandas apresentadas vão das conjunturais- como o desenvolvimento de programa de qualificação em nível estratégico, operacional e de educação básica- às mais locais, a exemplo de um calendário turístico para a região Caminho dos Canyons.